Várias pessoas tem-me contactado sobre o Meditation For Busy People, e sempre, em algum momento na conversa aparece o tema do que é realmente Meditação. Em vários momentos fiquei com a sensação de que é um tema confuso, ou pouco claro para a maioria das pessoas.

Escrevi um outro artigo mais técnico para as mentes mais curiosas, mas aqui, quero sobretudo falar da minha experiência com meditação, que tem sido das maiores aventuras da minha vida.

Antes de mais, acho necessário fazer a distinção entre o Estado Meditativo e a Técnica de Meditação. As técnicas são muitas, activas passivas, mais ou menos longas, e todas com objectivo comum. Atravessar e limpar tudo o que nos impede de viver o estado. Aquela presença total e absoluta no momento. É uma espécie de presença inteira em mim e na situação. Então, posso estar meditando a lavar a loiça, a caminhar, a dançar, no sexo, ou simplesmente sentada…

Á muitos anos que a meditação faz parte da minha vida. Pessoalmente, e dada a natureza agitada da minha mente, prefiro as meditações activas. Elas possibilitam com contacto mais real e profundo em mim, porque trazem-me para o corpo, através da expressão, da dança, chacoalhando e vários outros movimentos…

Sensações? São várias… Poder, amor, clareza, centramento, foco, tesão, liberdade, vontade de viver, celebração, encontro, alegria, êxtase… Na verdade, nada disto deveria ser raro na nossa vida. Mas, facto que o é. Vivemos uma vida enlouquecedora, na qual estados viciados e acomodados, sufocando o que há de mais natural e espontâneo em nós. Nossos corpos comportam tanta tensão que já é normal, e onde é impossível sentir. Sim, é impossível sentir com tanta tensão! Muitas vezes a gente pensa que sente, mais do que realmente sentir…

As meditações activas foram projectadas para nos capacitar de conscientemente expressar os nossos sentimentos (que estão reprimidos), e a partir daí entrar nesse estado meditativo, que possibilita a observação e consequente mudança dos nossos habituais padrões.

Outra coisa que gosto particularmente na Meditação activa é que uma vez aprendida, posso faze-la sozinha, sempre e quando eu quiser.

Uso a meditação para várias coisas! Por exemplo: Se estou a iniciar um projecto novo, onde preciso de foco e muita energia, aprofundo numa estrutura específica, se por outro lado, se estou em baixo por conta de um relacionamento, faço outra estrutura… Na gravidez do meu filho meditei MUITO era um deleite, um êxtase, uma sensação de expansão imensa… e por aí adiante… Cada uma delas vai apoiar em cada situação.

É realmente muito difícil de explicar, mas a meditação activa renova-me, amadurece-me, impulsiona-me, estimula-me, amplia-me. Faz-me querer andar pela vida entregue e sentindo com totalidade o que há para ser vivido a cada momento! Atreve-te, Experimenta!

Share This